Comunidade de Salvador, Arcos de Valdevez, em peregrinação à Ávila

  1. Comunidade de Salvador, Arcos de Valdevez, em peregrinação

    Numa iniciativa louvável a comunidade cristã de Salvador, Arcos de Valdevez, com o enquadramento dos seus párocos e a adesão de cristãos de outras comunidades, projetou e envolveu-se numa peregrinação aos locais de referência de Santa Teresa de Ávila.
    Falar de Santa Teresa de Ávila é lembrar a fundadora dos Carmelitas, doutora da Igreja, nascida em Ávila no dia 28 de março de 1515 e cujo corpo se encontra depositado no Mosteiro de Alba de Tormes (Salamanca). Locais que foram pontos de visitação e peregrinação deste grupo de cristãos de Salvador, Arcos de Valdevez.
    Freira carmelita, mística e santa católica do século XVI, com significativos escritos, que chegaram até aos dias de hoje, sobre a vida contemplativa e espiritual Santa Teresa de Ávila foi uma pessoa profundamente comprometida com a humanidade de Jesus.
    Quinhentos anos após o nascimento de Santa Teresa de Ávila e num tempo em que muito se fala de Direitos Humanos, muitas vezes torpedeados e desprezados em tantas partes do mundo (por vezes ao nosso lado e entre nós), é bom lembrar alguém que procurava ser humana com os humanos e transportava essa mesma humanidade para o relacionamento com Jesus. A Humanidade de Jesus era algo fulcral no pensamento de Santa Teresa de Ávila e o mistério da Incarnação de Deus feito Homem o centro da vida cristã.
    Voltando a esta peregrinação, que integrou cristãos de diferentes paróquias do concelho de Arcos de Valdevez, com idades entre os dez e os oitenta anos, é bom realçar o cuidado colocado na programação e o espirito peregrino sempre presente, reforçando o desafio espiritual assumido desde o início pelos participantes, que assim se envolveram numa experiência de peregrinação pessoal e comunitária e que possibilitou, ainda, desfrutar da relação pessoal com outros elementos da comunidade e uma aproximação ao património histórico e cultural das diversas localidades visitadas, nas suas diferentes, múltiplas e interessantes perspetivas.
    Num espirito de caminhada os cristãos participantes procuraram com esta peregrinação reforçar a sua fé, aprofundar os laços de amizade que os unem enquanto comunidade e colocar as esperanças, alegrias e incertezas perante o testemunho de Santa Teresa de Ávila, pedindo-lhe que com a sua sabedoria ilumine os seus caminhos.
    O teólogo Karl Rahner refere, numa das suas obras, que a história da Igreja é como uma "peregrinação para o mistério infinito de Deus, peregrinação que terminará somente onde não haverá mais caminhos nem fronteiras". É nesta peregrinação que se procuram integrar os cristãos que com a esta iniciativa conheceram melhor Santa Teresa de Ávila.

    Dr. Paulo Castro